Dicas

Mais Dicas

07/02/2018

ITC Vertebral Ribeirão apresenta tratamento inovador para dores

Programa de Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral substitui a cirurgia e possibilita ao paciente levar uma vida sem dor.

 

Além do aumento das doenças respiratórias, o frio também é o grande responsável pelo surgimento de algumas dores ou agravamento delas. O que torna a dor maior nas temperaturas menores é a contração dos músculos e dos vasos sanguíneos (vasoconstrição). A intenção do nosso corpo até que é das melhores: os músculos se contraem involuntariamente para se manterem aquecidos, e o sangue sai das articulações em direção ao tronco para manter nossa temperatura constante. O problema é que uma pancada em uma articulação contraída e sem sangue dói muito mais que uma normal. Uma hipótese é que, além disso, o frio tornaria mais sensíveis os receptores livres, terminais nervosos que levam a sensação de dor para o cérebro. Segundo o fisioterapeuta Giuliano Martins, diretor regional da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna (ABRC) e proprietário do ITC Vertebral Ribeirão - instituto especializado no tratamento de lesões na coluna - isso é consequência de deficiências causadas no suporte sanguíneo. “Este tipo de ocorrência pode dar origem à uma diminuição do metabolismo, ao encurtamento das fibras musculares, a diminuição da massa e da força muscular, limitação articular e alterações biomecânicas impedindo o corpo de fazer certos movimentos e até alterar a postura da pessoa”, explica Martins.

O especialista reforça ainda que a propensão de sedentários ou idosos de sofrerem com o problema aumenta muito neste período do ano e dá dicas de prevenção. “Nas articulações, o líquido sinovial – lubrificante e nutriente para a cartilagem articular que já é reduzido na terceira idade - fica mais espesso com o esfriamento do corpo gerando incômodos. Já para quem não pratica atividades físicas as dores acontecem também, pois os músculos são mais enfraquecidos e encurtados. Outra piora pode surgir nas pessoas que têm artrite ou artrose, por isso a prática constante de exercícios é muito importante”, comenta.

Para sanar o problema Martins apresenta um novo conceito em tratamento não cirúrgico e sem limites de idade para as doenças da coluna e que podem ajudar pacientes a obterem melhoras nesta época do ano. A ação pioneira é chamada de RMA (Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral) e usa a técnica de utilização de mesas de tração eletrônica e flexão-descompressão. “Com o instrumento, o tratamento é mais preciso, principalmente, na dosagem da tração. Assim, possuímos mais exatidão na reabilitação do paciente, de forma personalizada para cada caso e sem ser um método invasivo”, explica.

O resultado é imediato para o paciente e proporciona que ele volte às suas atividades diárias. As mesas são o diferencial do ITC Vertebral e dispensam qualquer tipo de intervenção cirúrgica, além de ser indolor e eficaz.

Sobre o ITC Vertebral – Fundado pelo fisioterapeuta Helder Montenegro, presidente da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna (ABRC) e reconhecido como um dos maiores especialistas em tratamento de coluna no Brasil, o Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral iniciou suas atividades em 2005, em Fortaleza (CE).

Em apenas dois anos foram mais de 700 pacientes tratados, com êxito, pelo método RMA. Tais resultados alcançaram grande projeção e o ITC Vertebral passou a receber pacientes de todo o Brasil. Com o aumento da demanda, o ITC Vertebral decidiu formatar a primeira franquia em fisioterapia do país e,  em 2007, deu início à uma expansão que já contabiliza mais de 55 unidades no país. Capitais como São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, por exemplo, já contam com mais de uma unidade do Instituto. O ITC Vertebral é afiliado à ABF (Associação Brasileira de Franquias). Em 2010, foi ranqueado pela Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios em primeiro lugar no quesito crescimento econômico e terceira posição em satisfação dos franqueados que, juntos, já trataram mais de 4 mil pacientes.

Por conta do reconhecido trabalho, o ITC Vertebral recebeu convites para demonstrar seus resultados no México, Inglaterra, Holanda, Portugal, Argentina, Chile e Venezuela, países que estão em vias de instalar unidades do Instituto.