PORQUE SIMONE BILES DESISTIU DE DISPUTAR AS OLIMPÍADAS?

Atualizado: Jul 31

Uma das principais ginastas da atualidade, a americana Simone Biles desistiu de disputar a final individual de ginástica artística, na manhã desta quarta-feira. A ginasta de 24 anos era favorita ao ouro, mas saiu da disputa alegando a necessidade de preservar a saúde mental.


Ontem, Biles já havia saído da competição por equipes após um salto ruim ter feito a ginasta declarar publicamente estar se sentindo pressionada demais para seguir a competição.

“Sempre que você entra em uma situação de alto estresse, você meio que enlouquece”, disse ela.


Quem é Simone Biles? Porque ela desistiu? O que aconteceu com ela?

Como nós sabemos que noticia ruim corre rápido e muitas vezes, principalmente aqui no Brasil, as pessoas distorcem as notícias, eu decidi gravar este vídeo utilizando informações confiáveis para passar á você o que de fato vem acontecendo.



Primeiramente, para quem ainda não sabe, Simone Biles tem apenas 1,42cm. Ela nasceu em 1997 no Estado americano de Ohio e foi adotada quando tinha 5 anos pelos avós.

Ela cresceu no Texas e fez ginástica pela primeira vez durante uma viagem, quando tinha seis 6 anos e aos 19 anos, já tinha o maior número de medalhas de ouro em campeonatos mundiais do que qualquer ginasta do planeta.

O técnico de Biles diz que a ginasta pode aprender uma nova habilidade em três dias, enquanto outras podem levar meses ou até anos para dominar um novo movimento.

Todo este sucesso de Biles a tornou uma das atletas mais conhecidas do esporte.



Agora, o que aconteceu com ela, para desistir de competir?

A resposta é: Stress.

Isso mesmo, segundo ela mesma relatou, ela sentiu necessidade de cuidar da sua saúde mental!

Ela relatou também que, depois da sua apresentação, simplesmente não queria continuar. E também disse que a saúde mental é mais importante nos esportes nesse momento. Temos que proteger nossas mentes e nossos corpos e não apenas sair e fazer o que o mundo quer que façamos".

Olha agora esse relato de Biles para a BBC: "Você tem que estar 100% lá, Se não, você se machuca. Hoje foi muito estressante. Eu estava tremendo. Eu não consegui dormir. Nunca me senti assim entrando em uma competição e tentei me divertir. Mas assim que cheguei, pensei: ‘Não. Minha mente não está aqui’".

Pra finalizar a entrevista ela ainda disse: "Eu não confio mais tanto em mim mesma. Talvez seja o fato de estar ficando mais velha. Não somos apenas atletas. Somos pessoas, e às vezes é preciso dar um passo atrás".


Aí vem a pergunta: a pressão sobre atletas passou do limite ou a saúde mental deixou de ser um tabu?

Eu acredito que cada vez mais, nós, seres humanos, estamos adoecendo por alterações emocionais.


Sou Fisioterapeuta, trabalho a mais de 18 anos com reabilitação ortopédica, principalmente coluna vertebral e confesso que nunca recebi tanto paciente com depressão, Ansiedade e Stress como nos últimos 5 anos. Na verdade a cada ano percebo um aumento nos casos de pacientes com dores nas costas onde precisamos tratar o Físico e o Emocional.


Peguei também um estudo científico publicado em 2019 que apontou que 19,6% dos atletas que participaram desse estudo sofrem com angústia, 26,4% sofrem com distúrbio de sono e 33,6%, ou seja 1/3 deles, sofrem com ansiedade e depressão.


Por isso, quero deixar 2 recados importantes para você hoje:


1.Cuide da sua mente.

Cuidado com o que você lê e ouve por ai, seja de pessoas ou na internet. Você pode estar sendo influenciado por muita noticia ruim e isso vai te deixar com sérios problemas emocionais no futuro. Se aproxime de pessoas que te levantam, que falam de ideias e coisas boas e se afaste de pessoas pessimistas, negativas, que sugam a sua energia ou que não acrescentam nada ao seu conhecimento.


2. Dor nas costas pode ter origem física e emocional.

Não duvide do seu médico ou do seu Fisioterapeuta se ele te disser que vai precisar usar uma abordagem biopsicossocial ou se vai precisar da ajuda de um Psicólogo para tratar as suas dores. Saiba que o stress, a depressão e a ansiedade aumentam a tensão e agravam muito nossas dores.


10 dicas de como cuidar da saúde

Existem coisas simples que podemos fazer para ajudar a cuidar de nossa saúde mental e bem-estar em momentos de incerteza. Isso nos ajudará a pensar com clareza e a garantir que possamos cuidar de nós mesmos e daqueles que amamos.

Essas dicas podem ajudar a melhorar sua saúde mental e bem-estar se você estiver preocupado com o surto de coronavírus. Também pode ler os nossos conselhos sobre como manter o seu bem-estar mental se ficar em casa .

É importante sempre seguir as orientações oficiais mais recentes sobre distanciamento social para manter todos seguros.


1. Fique conectado com as pessoas

Manter relacionamentos saudáveis ​​com pessoas em quem confiamos é importante para nosso bem-estar mental. Se puder, visite ou encontre-se com amigos e familiares pessoalmente, mas siga as orientações governamentais mais recentes sobre distanciamento social quando o fizer. Se você não puder se encontrar pessoalmente, porque um de vocês precisa ficar em casa, mantenha contato por telefone, videochamadas ou redes sociais. Todos nós ainda precisamos nos sentir conectados, então mantenha contato - seja com pessoas que você normalmente vê com frequência ou se reconectando com velhos amigos.


2. Fale sobre suas preocupações

É normal sentir-se preocupado, assustado ou impotente com a situação atual. Lembre-se: não há problema em compartilhar suas preocupações com outras pessoas em quem você confia - e fazer isso também pode ajudá-las. Se você não pode falar com alguém que conhece ou se isso não ajudou, existem várias linhas de ajuda que você pode tentar.


3. Apoie e ajude os outros

Ajudar outra pessoa pode ser benéfico para você e para ela, então tente ser um pouco mais compreensivo com as preocupações, preocupações ou comportamentos das outras pessoas neste momento. Tente pensar em coisas que você pode fazer para ajudar as pessoas ao seu redor. Há algum amigo ou familiar por perto que você possa encontrar? Se você não puder se encontrar, pode telefonar ou enviar uma mensagem para eles. Há algum grupo da comunidade em que você possa participar para apoiar outras pessoas localmente? Se você sair para oferecer apoio ou ajuda a outras pessoas, sempre siga as diretrizes de distanciamento social quando estiver fora de casa.


4. Sinta-se preparado

À medida que o surto continua, pode ser útil analisar o que as mudanças nas diretrizes do governo significam para você, para que se sinta mais preparado e menos preocupado. Pode ser útil pensar em uma semana típica: como você continuará a ser afetado e o que precisará fazer para resolver quaisquer problemas? Fale com seu empregador, caso ainda não tenha feito isso. Descubra mais sobre o apoio governamental para empresas e trabalhadores autônomos e entenda seu pagamento por doença e direitos a benefícios .


5. Cuide do seu corpo

Nossa saúde física tem um grande impacto em como nos sentimos. Em momentos como esses, pode ser fácil cair em padrões de comportamento prejudiciais que acabam fazendo você se sentir pior. Tente fazer refeições saudáveis ​​e bem balanceadas, beba bastante água e faça exercícios regularmente. Evite fumar ou usar drogas e tente não beber muito álcool. Dar uma caminhada, correr ou andar de bicicleta pode realmente ajudar a levantar seu humor e limpar sua mente - lembre-se de seguir as diretrizes de distanciamento social. Ou você pode tentar um de nossos exercícios domésticos fáceis de 10 minutos.


6. Atenha-se aos fatos

Encontre uma fonte confiável em que você possa confiar e informações de checagem de fatos que você obtém de feeds de notícias, mídias sociais ou outras pessoas. Pense em como informações imprecisas podem afetar outras pessoas também. Tente não compartilhar informações sem verificar os fatos em fontes confiáveis. Você também pode querer limitar o tempo que passa assistindo, lendo ou ouvindo a cobertura do surto, incluindo nas redes sociais, e pensar em desligar os alertas de notícias de última hora em seu telefone. Você pode definir um horário específico para ler as atualizações ou limitar-se a algumas verificações por dia.


7. Fique por dentro dos sentimentos difíceis

A preocupação com o surto de coronavírus é normal. No entanto, algumas pessoas podem sentir intensa ansiedade que pode afetar sua vida diária. Tente se concentrar nas coisas que você pode controlar, como seu comportamento, com quem você fala e onde e com que frequência você obtém as informações. É bom reconhecer que algumas coisas estão fora do seu controle, mas se os pensamentos constantes sobre o COVID 19 o estão deixando ansioso ou oprimido, tente algumas idéias para ajudar a controlar sua ansiedade ou ouvir um guia de áudio.


8. Faça coisas que você gosta

Sentir-se preocupado, ansioso ou deprimido pode nos impedir de fazer coisas de que geralmente gostamos. Concentrar-se no seu hobby favorito, relaxar ou se conectar com outras pessoas pode ajudar com pensamentos e sentimentos ansiosos. Se algumas das coisas que você gosta de fazer envolvem encontrar-se com outras pessoas, há maneiras de fazer isso agora que seguem as diretrizes de distanciamento social? Por exemplo, jogar tênis ou futebol? Se você não pode fazer as coisas de que normalmente gosta, talvez porque está ficando em casa, pense em como você poderia adaptá-las ou tente algo novo. Existem muitos tutoriais e cursos online gratuitos, ou experimente questionários de pub online e concertos musicais.


9. Concentre-se no presente

Focar no presente, em vez de se preocupar com o futuro, pode ajudar com emoções difíceis e melhorar nosso bem-estar. As técnicas de relaxamento também podem ajudar algumas pessoas a lidar com sentimentos de ansiedade, ou você pode tentar nosso vídeo de respiração consciente.


10. Cuide do seu sono

Um sono de boa qualidade faz uma grande diferença em como nos sentimos mental e fisicamente, por isso é importante ter o suficiente. Tente manter padrões regulares de sono e boas práticas de higiene do sono - como evitar telas antes de dormir, reduzir a cafeína e criar um ambiente repousante.


ATENÇÃO

Se você tem dor, NÃO se auto-medique sem saber a causa das suas dores.

Não existe medicamento mágico, pomada, massagem, técnica revolucionária, exercício único! Esqueça isso!

Não existe receita de bolo, ou seja, cada paciente precisa de um tratamento específico para seu caso e por isso uma avaliação é fundamental!

Outra coisa, você pode até fazer um exame, mas não acredite em tudo que vai ler!

Leve este exame a um bom profissional que saiba ler e interpretar bem o laudo, mas faça PRINCIPALMENTE uma boa Avaliação Física utilizando testes Ortopédicos e Neurológicos com embasamento Científico! Só assim você vai tratar o que de fato te causa d