Tratamentos

Mais Tratamentos
Agende uma avaliação com especialistas agora mesmo!

Treinamento Funcional

Ao longo dos últimos 10 anos, houve uma mudança para tornar o treinamento mais funcional. A revolução começou, como costuma acontecer, com os fisioterapeutas, e o treinamento funcional foi lentamente adotado pelos treinadores e treinadores pessoais. Um dos muitos sinais de que o treinamento funcional seria a onda do futuro foi quando os grandes fabricantes de máquinas de treinamento de força começaram a apresentar o que eles chamavam de máquinas "baseadas no solo" e também a fabricar bastidores e bancos de peso básicos. Neste ponto, a caligrafia estava na parede. O público falou com suas carteiras, e a popularidade das máquinas, particularmente na área de treinamento atlético, estava em declínio.

No entanto, ao longo dos últimos anos, uma controvérsia começou a se desenvolver em torno do treinamento funcional. Apareceu um tipo de paradoxo funcional. Os gurus do treinamento funcional parecem entregar uma mensagem clara: o treinamento funcional deve ser feito em pé e deve ser múltiplo. Surpreendentemente, no entanto, alguns treinadores que abraçaram o treinamento funcional adotaram conceitos que, na análise inicial, parecem não funcionais. Este uso de exercícios aparentemente não funcionais por supostos defensores do treinamento funcional causou alguma confusão no campo.

O raciocínio por trás dessa aparente contradição é realmente simples. A função varia de articulação para articulação. Exercícios que promovem a função das articulações que requerem estabilização são diferentes dos exercícios que promovem a função das articulações que buscam mobilidade. A função primária de certos músculos e grupos musculares é a estabilização. O treinamento funcional para esses músculos envolve treiná-los para serem melhores estabilizadores, muitas vezes executando exercícios simples através de pequenas amplitudes de movimento. Em muitos casos, no esforço para tornar tudo funcional, treinadores e atletas acabaram negligenciando as importantes funções estabilizadoras de certos grupos musculares.

Os três grupos-chave que necessitam de treinamento de estabilidade são:
1. os abdominais profundos (transverso abdominais e oblíquo interno),
2. os abdutores e rotadores do quadril, e
3. os estabilizadores da escápula.

Muitos treinadores começaram a rotular os exercícios para essas áreas como reabilitadores ou "pré-capacitadores", mas, de fato, esses exercícios são apenas outra forma de treinamento funcional. Função no tornozelo, joelho e quadril é maximizada quando o quadril apresenta grande estabilidade. Para alguns atletas, o desenvolvimento de estabilidade no quadril pode, inicialmente, exigir o trabalho isolado de abdução do quadril para "ativar", ou ativar, o músculo. O especialista em desempenho, Mark Verstegen, do Athletes 'Performance Institute em Tempe, Arizona, refere-se a este conceito como "isolamento para a inervação". Em certos momentos, certos grupos musculares - notadamente os abdominais profundos, abdutores de hip e estabilizadores de escápulas - precisam ser isolados para melhorar sua função. Por esse motivo, alguns exercícios de união, aparentemente não funcionais, podem de fato melhorar a função de toda a extremidade inferior.

A função na articulação do ombro é reforçada através da melhoria da função dos estabilizadores da escápula. Embora muitos atletas executem exercícios para o manguito rotador, poucos exercem os estabilizadores da escápula. Mas um forte manguito rotador sem estabilizadores de escápulas fortes é como tentar atirar um canhão de uma canoa. Na nossa instalação de treinamento, descobrimos que a maioria dos atletas possui uma força de manguito rotador adequada, mas uma força ou controle insuficiente dos estabilizadores da escápula. Como resultado, frequentemente empregamos exercícios para trabalhar nos estabilizadores da escápula que podem parecer não funcionais, mas o desenvolvimento dessas áreas é fundamental para a saúde a longo prazo da articulação do ombro.

Os fisioterapeutas estão novamente liderando o caminho na área de desenvolvimento dos estabilizadores da parte inferior das costas. Melhorar a força abdominal para ajudar na estabilização da parte inferior das costas está longe de ser um novo conceito, mas os métodos específicos estão mudando rapidamente. Pesquisadores da Austrália estabeleceram claramente que dois músculos profundos da estabilização da coluna vertebral, transverso abdominal e multifidus, sofrem uma atrofia rápida após um episódio de dor lombar. Sem a reconversão destes músculos, a recorrência da dor nas costas é quase garantida. Para melhorar a função da coluna lombar, é necessário um certo grau de isolamento, e esse isolamento envolve contrações simples e de curto alcance dos músculos abdominais profundos.

A chave para desenvolver um programa de treinamento verdadeiramente funcional não é ir muito longe em qualquer direção particular. A maioria dos exercícios deve ser feito em pé e deve ser múltiplo, mas, ao mesmo tempo, deve ser dada atenção ao desenvolvimento dos principais grupos estabilizadores nos quadris, torso e ombro posterior.

Um segundo paradoxo funcional gira em torno da atividade multiplanar realizada em uma posição específica para esporte. Especialistas desse estilo de treinamento funcional defendem o uso de exercícios com carga (por exemplo, haltere, colete de peso) com uma postura flexionada e posições de pé que alguns treinadores de força e condicionamento considerariam menos do que desejável. Embora os atletas se encontrem em posições comprometidas em situações competitivas, os treinadores precisam avaliar até onde eles estão dispostos a embarcar atletas em posições de flexão da coluna vertebral. Por exemplo, embora um jogador de beisebol freqüentemente se agacha para cavalgar uma bola de chão com uma espinha flexionada, os movimentos de agachamento ponderados com a coluna em uma posição flexionada podem não ser sábios. Em que ponto você atravessa a linha do treinamento seguro em treinamento inseguro? Nossa posição sobre isso é simples. O argumento de que "isso acontece nos esportes o tempo todo" não é suficiente para correr riscos na sala de musculação. Se estamos treinando para a força (seis repetições ou menos), nunca comprometem a segurança para tornar a posição do corpo mais específica. Se estamos treinando para resistência (10 repetições ou mais), nós podemos, por vezes, empregar exercícios em posturas flexionadas, quando carregado com um colete de peso ou um haltere. O fisioterapeuta Mike Clark, da Academia Nacional de Medicina Esportiva, propôs uma diretriz de não mais de 10% do peso corporal para exercícios realizados com uma coluna flexionada ou para ações avançadas. Este é um excelente guia para a maioria dos atletas, mas pode ser muito pesado para atletas maiores.

À medida que você começa a explorar o conceito de treinamento funcional para o esporte, mantenha uma mente aberta sobre como e por que os atletas se movem em seu esporte. Pense em seu treinamento como um veículo para melhorar o desempenho, não apenas para melhorar a força. Muitos atletas negligenciaram o treinamento de força porque eles não entendem completamente o valor de força de desempenho em esportes como baseball, tênis ou futebol. A chave do ponto de vista do atleta é que o treino tenha sentido. A chave do ponto de vista do treinador é fazer com que o treinamento faça sentido para o atleta. Um programa de treinamento construído em torno de ações que não ocorrem no esporte simplesmente não faz sentido. A chave é projetar um programa de treinamento que realmente prepara atletas para seus esportes. Isso pode ser feito apenas usando exercícios que treinam os músculos da mesma maneira que eles são usados no esporte.

De maneira bastante simplificada e resumida, a concepção de treinamento funcional existe desde 1911 e refere-se a todo programa de treino que deixa o indivíduo mais funcional, ou seja, melhor preparado para desempenhar tarefas da vida diária. Em seus tempos mais primórdios, a base do treinamento funcional era a mesma do powerlifting, utilizando movimentos de levantamento terra, supino e agachamento, uma vez que, por se tratarem de exercícios multiarticulares, promoviam bastantes benefícios em fortalecimento muscular e ganho de força, deixando o praticante mais funcional. Anos mais parte, começou a surgir outra abordagem de treinamento funcional, que se baseou em quatro domínios (estabilização espinal, resistência, flexibilidade e equilíbrio e propriocepção), que foram aplicados no campo da reabilitação buscando recuperar funções perdidas das pessoas, gerando resultados muito positivos, como melhora de estabilidade articular, amplitude de movimento, controle neuromuscular, etc.

Basicamente, estes programas são realizados com exercícios de calistenia (aqueles que usam o próprio peso do sujeito para gerar sobrecarga), alongamento e também com acessórios que geram algum tipo de instabilidade, sendo os mais famosos o bosu e os dyna disks, que são colocados numa base de suporte, por exemplo, o chão, onde o indivíduo irá realizar exercícios convencionais, feito flexão de braço e agachamento. Por conta dos resultados positivos, resolveram expandir esses programas de treinamento para pessoas saudáveis, com o intuito deixá-las mais funcionais também, porém, a meu ver, boa parte dos resultados disso foram catastróficos, pois muita gente saiu aplicando instabilidade em qualquer exercício, sem critério ou reflexão, sem nenhuma base teórica, apenas para se promoverem nas redes sociais, incentivando pessoas leigas a fazerem exercícios perigosos e desnecessários.