ATIVIDADE

FÍSICA

Após o término das sessões previstas é fundamental buscar alternativas para manter os benefícios decorrentes do tratamento. Serão necessários estímulos frequentes e graduais que garantam a integridade das estruturas músculo-esqueléticas envolvidas e previnam contra novas crises.

 

A opção eficiente e segura é um programa de exercícios que incluem os principais componentes da aptidão física relacionados à saúde (potência aeróbica, força e flexibilidade) ajustados de acordo com a especificidade da situação e supervisionados por profissionais de educação física que, antes do início do programa recebem do fisioterapeuta responsável pelo tratamento todas as informações necessárias para prescrever os exercícios e produzir o efeito terapêutico desejado sem sobrecarregar as estruturas de risco. O acompanhamento da evolução do treinamento ocorre através das avaliações periódicas e frequentes modificações da rotina de treinamento.

 

Sobre os diversos tipos de exercícios atualmente disponíveis, vale uma pesquisa aprofundada sobre os benefícios e riscos das diversas modalidades. As informações contidas na internet são parciais e geralmente superficiais. Orienta-se a procura de especialistas para esclarecimentos adicionais e assim iniciar a prática de atividade física adequada para cada situação, com conhecimento sobre os riscos e benefícios da mesma. É necessária a avaliação de um Fisioterapeuta e um profissional de Educação Física para analisar possiveis riscos referentes a doenças sistemicas (hipertensão, diabetes, doenças da tireóide, cardiopatias) e disfunções motoras (presença de artropatias, deformidades nos pés, doenças da coluna).

É importante informar que pacientes que apresentem dor na Coluna sem avaliação prévia não devem iniciar atividades físicas sem a liberação de um profissional da Saúde, correndo risco de agravar lesões de modo irreversível como em casos de tumores, espondilolisteses, estenoses vertebrais, hérnias de disco e outras doenças.

De modo geral, tratando-se da dor já diagnosticada, as orientações atuais são de iniciar a realização de atividade física através de uma rotina progressiva, estruturada e supervisionada por profissional, independente do tipo de exercício desejado. Não se pode dizer com certeza que um exercício é melhor do que o outro. Existem estudos que comprovam a melhora das dores com diversas modalidades de exercícios.

Orientamos que o paciente siga pelo menos uma das três opções abaixo: