WHIPLASH - Lesão de Chicote

A lesão de Whiplash é popularmente conhecida como “lesão de chicote” ou “síndrome do chicote” e é bastante frequente após acidentes automobilísticos. Trata-se de uma lesão de estiramento dos músculos e ligamentos do pescoço para além dos limites normais de movimento.



CAUSAS DA LESÃO DE WHIPLASH

A lesão de Whiplash ou “chicote” pode ocorrer por movimentos bruscos do pescoço.

Quando um veículo para de repente, em um acidente ou quando atingido por trás, o cinto de segurança irá manter o corpo da pessoa estático, mas a cabeça segue o movimento brusco para frente e, em seguida, para trás, causando a lesão de whiplash. Esse mecanismo também pode ocorrer em esportes de alto impacto como: futebol americano, boxe, entre outros.


SINTOMAS

Existe, em muitos casos, dor e rigidez no pescoço durante os primeiros dias após uma lesão de whiplash. A dor também pode ser sentida em grupos musculares próximos: na cabeça, tórax, ombros e braços.

A dor de whiplash também pode não aparecer logo após um acidente ou demorar horas para se desenvolver e depois permanecer por vários dias. Os sintomas incluem tonturas, dores de cabeça, dor ou rigidez no pescoço, mandíbula, ombros ou braços.

Dentre os principais sinais e sintomas relacionados na literatura, pode-se citar:

  • alterações ósteo-mio-articulares, como cervicalgia, cefaléia, algia torácica e lombar, perda de amplitude articular, estiramentos musculares e ligamentares e hérnias de disco.

  • alterações neurológicas, como parestesias, diminuição da propriocepção e de reflexos.

  • distúrbios cognitivos, como perda de memória e dificuldade de concentração.

  • distúrbios vestibulares, como vertigem e déficits de equilíbrio.

  • distúrbios posturais, como alterações das curvaturas fisiológicas da coluna.

Além disso, pode funcionar como fator desencadeador de outras situações clínicas, tais como distúrbios visuais e distúrbios auditivos.



DIAGNÓSTICO E EXAMES

O diagnóstico pode ser feito clinicamente, levando em conta as características dos sintomas e o resultado do exame neurológico. Exames como raio-x, tomografia e ressonância magnética ajudam a determinar o tamanho da lesão e em que exata região da coluna está localizada.


A Quebec Task Force classificou as Desordens Associadas à Síndrome do Chicote (DASC) em:

  • Grau 01: Manifestações clínicas como: dor e rigidez cervical ou contratura muscular, porém, sem sinais clínicos;

  • Grau 02: Manifestações clínicas como: dor e rigidez cervical ou contratura muscular, com sinais musculo-esqueléticos;

  • Grau 03: Manifestações clínicas como: dor e rigidez cervical ou contratura muscular, com sinais neurológicos;

  • Grau 04: Manifestações clínicas como: dor e rigidez cervical ou contratura muscular, com fratura ou luxação cervical.



TRATAMENTO

O tratamento tem por objetivos a analgesia, melhora da amplitude de movimento, da propriocepção e da função muscular, assim como o retorno às atividades diárias.

A fisioterapia desempenha importante papel na reabilitação do individuo com seqüelas da lesão em chicote. Dentre as técnicas mais utilizadas, destaca-se: eletroestimulação, termofototerapia, cinesioterapia, modalidades de terapia manual e reeducação postural. Sendo que a terapia manual e a reeducação postural têm mostrado resultados mais eficientes e duradouro.


PREVENÇÃO

Os principais recursos desenvolvidos com o intuito de prevenir as lesões em chicote foram o encosto para cabeça e o cinto de segurança, ambos para automóveis, embora ainda existam contradições em relação aos seus benefícios.

18 visualizações

CONTATO

Ribeirão Preto

Rua José Jaime Delibo, 160
CEP 14026-563 - Jardim Nova Aliança

Ribeirão Preto/SP

Curitiba

Av. Silva Jardim, 3161
CEP 80240-021 - Bairro Água Verde - Curitiba/PR

Qual unidade gostaria de falar ?

© 2020 por ONE Fisioterapia. Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Onegate