DOR NO CIÁTICO OU CIATALGIA - Como tratar?

Atualizado: 11 de Set de 2020

A dor ciática é uma inflamação ou irritação do nervo mais longo do nosso corpo, o nervo ciático. Ele também é muito volumoso, podendo ter a espessura de um dedo. Quando essa estrutura neurológica é afetada, a dor pode se estender da região lombo-sacra até o pé, passando por glúteo, coxa e lateral da perna. Essa dor é descrita pelos pacientes como uma dor profunda, como se fosse no osso.


COMO SURGE A DOR NO NERVO CIÁTICO?

A irradiação do nervo ocorre por compressão no seu trajeto ou no local da sua origem (raiz nervosa). As compressões poderão ser por trauma direto ou de repetição, como ficar sentado por muito tempo em uma cadeira desconfortável ou sentado sobre uma carteira de dinheiro alojada no bolso traseiro da calça.

É muito comum que esses sintomas apareçam também pela prática esportiva, como corrida e musculação, ou em atletas que praticam esportes com saltos. Todos esses esportes solicitam os músculos dos glúteos e o piriforme. Na grande maioria o trajeto do nervo ciático passa por baixo do músculo-piriforme. Em 10% da população, o nervo ciático passa por dentro dele.

Assim, qualquer alteração desse músculo poderá causar dor no local ou problemas de sensibilidade na perna. Portanto, devemos ter cuidado ao fortalecer essa região e, somente nesses casos, é que o alongamento do piriforme aliviará de imediato as dores localizadas e as irradiadas para a perna.

Saber distinguir se a dor é oriunda de um problema na coluna ou se o paciente tem pré-disposição para contratura desse músculo será de fundamental importância para saber se é possível alongar ou não. É importante salientar que a causa mais comum da dor ciática são as lesões degenerativas da coluna vertebral, tais como: hérnia de disco, protrusão de disco, espondilolistese, artrose nas vértebras inferiores e estenose vertebral.

Nesses casos, alongar os músculos posteriores da coxa podem até contribuir para o aumento da dor. Nas lesões mais severas e graves, os pacientes poderão apresentar quadros de fraqueza muscular em uma das pernas ou nas duas, e a falta de força poderá mudar o padrão da caminhada. Nesses casos, o paciente não consegue ficar de ponta de pé sobre a perna afetada ou dar alguns passos usando apenas os calcanhares.

Existe também a possibilidade da perda do controle da urina em casos mais graves. O importante é que todos os profissionais e os familiares que estão cuidando de um paciente com esse quadro fiquem em alerta, pois a negligência ou a falta de atenção poderá levar a quadros irreversíveis.


O QUE É O NERVO CIÁTICO?

O nervo ciático corresponde ao maior nervo do corpo humano. Começa na espinha inferior e desce pela parte posterior de cada perna. Ele é responsável pelo controle das articulações do quadril, joelho e tornozelo e também dos músculos posteriores da coxa e dos músculos da perna e do pé.

O problema com o nervo ciático ocorre quando alguma pressão ou lesão o afeta. Esse dano ao ciático pode ocorrer dentro do canal espinhal – entre as vértebras por onde passa a medula espinhal – ou em outros pontos de seu percurso. E, uma vez inflamado por algum tipo de compressão externa ou outros fatores, surge a famosa dor ciática que apresenta uma série de sintomas.

CARACTERÍSTICAS DA DOR CIÁTICA


Essa dor ocorre, geralmente, em um lado do corpo. Começa na região lombar da coluna, podendo irradiar ao longo da coxa até a batata da perna, o pé ou até mesmo os dedos. Os principais sintomas da doença incluem:

  • Sensação de “queimação” ou dormência;

  • Dor acompanhada de choques intermitentes nas nádegas que se prolongam para baixo por trás ou pelo lado da coxa e/ou perna;

  • Pinçadas ou espasmos de dor na parte baixa da coluna e ao longo do nervo ciático, que percorre pela parte profunda da coxa e/ou superficial da perna indo até o pé;

  • Dificuldades em realizar certos movimentos, como sentar ou levantar;

  • Perda de sensibilidade (parestesias)ou fraqueza nos músculos da perna afetada;

  • Perda da função intestinal ou da bexiga.

Os sintomas da Dor Ciática, normalmente, pioram no período da noite. Mas vale ressaltar que nem todo paciente identificará os mesmos sintomas e nem pelo mesmo período de tempo. Tudo vai depender da causa da compressão do nervo ciático, isso será determinante para a manifestação dos sintomas.


PATOLOGIAS QUE CAUSAM A DOR CIÁTICA

A dor do nervo ciático pode ter diversos motivos: hérnia de disco lombar, espasmo do músculo piriforme ou trauma direto sobre nervo, produzido, por exemplo, por uma injeção mal aplicada.

O nervo ciático fica localizado entre o trocanter maior e a tuberosidade isquiático. Ele é recoberto pelo músculo do glúteo quando o quadril está estendido, mas quando flexionado, o músculo se desloca e deixa o nervo descoberto.

O nervo ciático se conecta com a medula espinhal através dos forames sacras posteriores e também da quinta vértebra lombar (L5). À medida que acompanhamos o nervo no sentido do quadril ao pé, esses ramos que saem da medula se unem e formam o nervo ciático que, quando chega na metade do fêmur, se divide em nervo tibial e nervo fibular comum que, por sua vez, vão se ramificando.

O nervo atravessa vários músculos, fáscias e tendões em seu trajeto e acaba por se enervar com músculos como o adutor magno e o piriforme. Na região do quadril, o nervo ciático passa internamente pelo músculo piriforme e lateralmente pelos músculos obturador interno e os gêmeos inferior e superior. Quando o piriforme se encontra em espasmo muscular, ele comprime o nervo ciático produzindo dor, por isso o nome de Síndrome do Piriforme.

As dores dos nervos ou ciatalgias podem se assemelhar a choques, agulhadas ou formigamentos e ocorrem no local da lesão ou em uma região que esse nervo percorre.

Na Síndrome do Piriforme, a dor pode chegar ao joelho ou à parte posterior da panturrilha (nervo tibial).



Muitos ciclistas, triatletas e corredores apresentam esse tipo de patologia porque o músculo piriforme pode encurtar e levar a uma compressão do nervo. A postura na bicicleta e o tipo de corrida, como em treinos de subida, são alguns dos fatores.

O tratamento pode ser feito com anti-inflamatórios e sessões de fisioterapia para uma total reabilitação. Um tratamento só com anti-inflamatório ou só acupuntura (que tem como princípio aumentar as endor